UMM na Africa Race rumo a Dakar…”homenagear” José Megre!

Três décadas depois da sua estreia no Dakar, o UMM está de volta a África, pelas mãos do lendário Carlos ‘Tucha’ Barbosa, que pretende levar os dois carros da antiga marca nacional a Dakar. Tucha será acompanhado por Carlos Mota, enquanto o segundo carro está entregue ao seu filho Bruno Barbosa, que terá ao lado Joaquim Sousa.

UMM

Este regresso a África serve para “homenagear o José Megre e relembrar os anos do antigo Dakar, que comecei a disputar em 1982. O engenheiro Megre é o meu padrinho de batismo nesta prova, juntamente com o Pedro Cortez, a quem devo tudo o que aprendi sobre preparação de carros”.

José Megre

Para Tucha “A Africa Race é que é o verdadeiro e mítico Dakar antigo. O que tem piada é passar pela pelos desertos de Marrocos e da Mauritânia”. Tendo em conta a tradicional fiabilidade do UMM, Tucha não esconde que “o nosso objetivo é levar os dois carros ao Lac Rose, bem como os carros de assistência. A partir daí, dependendo de onde estivermos classificados, queremos discutir as posições a que achamos que temos direito”.

Máquinas diferentes

Para este regresso a Dakar, a equipa portuguesa aposta em dois carros diferentes. Tucha fez todos os esforços para conseguir que a União Metalo-Mecânica lhe emprestasse o Cournil de 1983 para restauro e preparação para a prova, mas a empresa recusou. Assim, vai antes pilotar o mesmo Alter V6 que levou à vitória no Raid à Grécia de 1992, no que foi a primeira vitória de um carro português numa prova internacional de todo-o-terreno. O carro tem um motor PRV V6 a gasolina, de 3,5 litros, bem como uma aerodinâmica mais apurada com aileron traseiro, que nos anos 90 o colocava na antiga Classe T3, para viaturas muito modificadas.

O segundo carro vai ser um Alter Turbo, outro carro que Tucha pilotou na sua carreira, inclusive no Dakar, na edição de 1987. É um carro muito mais próximo de série, mas foi também alvo de modificações de modo a torná-lo mais resistente, incluindo travões de disco às quatro rodas, depósito de combustível de 300 litros, bombas de injeção em duplicado (de modo a poder prosseguir em caso de avaria num dos sistema de alimentação), suspensão de molas helicoidais com duplos amortecedores por roda e barra Panhard.

O projeto é apadrinhado pelo Clube UMM, uma agremiação que mantém o contacto entre os vários entusiastas do jipe português e permite a vários exemplares deste veículo manterem-se intactos e prontos a serem usados quase duas décadas depois da sua produção civil se ter encerrado.

Advertisements

Deixe um comentário

Filed under Fanáticos do Rally

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s