Os reconhecimentos ilegais nos Ralis em Portugal…

Pode parecer mesmo muito estranho, mas Portugal, em duas décadas, conseguiu colocar três pilotos no Mundial de Fórmula 1, Pedro Matos Chaves, Pedro Lamy e Tiago Monteiro, mas no Mundial de Ralis, a tempo inteiro, apenas Armindo Araújo o conseguiu, bem recentemente, não ficando por lá muito tempo, pelos motivos que todos conhecem.

gra380atmosfera1-428a

Sendo os ralis uma modalidade com forte implantação em Portugal, pode parecer no mínimo estranho que tenhamos conseguido colocar três pilotos na F1, dois deles vários anos, e só a muito custo tivemos um piloto com um programa completo no WRC.
A razões davam para escrever um livro, mas há uma que, em conversas com os mais diversos agentes dos ralis nacionais, desde pilotos, organizadores, a jornalistas, todos afinam pelo mesmo diapasão: os reconhecimentos ilegais são um cancro que corta as pernas a quase todos.

Há tempos, um jovem piloto dizia-nos “eu não queria ter feito reconhecimentos ilegais, mas se não o fizer, como podia ganhar ralis face a outros que nunca o deixaram de fazer?” Esta é uma questão muito complicada, já que existindo regras, poucos as cumprem. O Autosport, no passado, chegou a posicionar-se em troços, e não precisava de esperar muito para ver quem por lá passava.

Por cá, as coisas são como são, os pilotos até parecem andar bem, e depois quando chega a hora da internacionalização, espalham-se ao comprido. Uma das razões é claramente os maus hábitos relativamente aos reconhecimentos ilegais, pois nas provas internacionais, com os reconhecimentos limitadíssimos, o andamento reflete-se muito.

Há pouco tempo, ouvimos o Campeão de Portugal de Ralis, Ricardo Moura, falar sobre o assunto, perguntando-lhe se considerava que no CPR se fazem demasiados reconhecimentos? É possível um piloto evoluir em Portugal com reconhecimentos livres? “Depende da perspetiva. Eu sou apologista das duas passagens, mas só se for igual para todos, caso contrário é muito desigual e injusto. Por outro lado, também sou apologista que não se devem criar regras que não podem ser controladas. Não sei se há uma solução, mas parece-me que a única hipótese de controlar minimamente os reconhecimentos, é divulgar o itinerário no próprio dia dos reconhecimentos, um dia antes do rali, mas isso também tem inconvenientes ao nível dos espectadores, etc. Liberalizar nunca. Isso aí seria o caos para todos, inclusive populações.”, referiu o açoriano.

Em resumo, este é um problema em que o egoísmo de alguns, acaba por afetar todos, em especial os melhores, que um dia tentam internacionalizar-se e levam consigo vícios que nunca conseguirão ultrapassar.

AutoSport new80  Carimbo 210 copy

Advertisements

Deixe um comentário

Filed under Fanáticos do Rally

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s